Joomla! Volunteers Portal

Tenho vivido coisas incríveis desde que entrei na comunidade Joomla. O espírito de colaboração, construção coletiva e auto-gestão do Joomla é quase como que uma subversão e uma esperança de que podemos ter no futuro uma nova organização social focada em valores solidários - e não individualistas como hoje. Isso merecia uma dissertação de Mestrado... quem sabe um dia?   

Mas como eu relatei em Minha saída do Joomla Brasil, nem tudo são flores. Infelizmente algumas maçãs podres pessoas dificultam o trabalho de quem acredita na força da construção de algo coletivo. Por quê? Oras, porque elas querem usar a comunidade para marketing pessoal - e só conseguem isso porque não estamos fortalecidos nacionalmente. Tem até gente que banca o "grande contribuidor Joomla no Brasil" (ahaha). Contribui? Claro que sim, como muitos outros. Mas faz tanta coisa negativa que nem sei bem como fica o saldo final.

Então vamos aos fatos (com devida comprovação documental). Assim, cada um pode ver e julgar por si mesmo. Por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento - já diziam nossas avós. Apenas com o conhecimento dos fatos somos capazes de uma análise crítica e não nos deixarmos manipular pelas aparências.

Desde 2012 existe uma discussão sobre um assunto recorrente na comunidade Joomla brasileira que vinha sendo mantida fechada em mailing lists. Vêm participando dela um grupo de pessoas que desde 2005 realizam eventos e tocam esse barco. Elas que são responsáveis pelo que temos consolidado de Joomla hoje no Brasil. São possivelmente os responsáveis por a maior parte de nós estar no Joomla hoje em dia. :)

O que acontece é que muito daqueles líderes já estão com novos projetos e, por algum motivo, já não estão mais engajados com a comunidade Joomla. E outros simplesmente cansaram dessas coisas que teimam em se repetir e resolveram largar de mão - o que é uma lástima. Como a liderança é algo flutuante, situacional, hoje temos um novo grupo formado, o grupo das JUGs brasileiras. As JUGs (grupos de usuários Joomla) são os grupos legitimados pelo Joomla para representar os usuários daquela região.

No JoomlaDay Brasil 2015, foi feita uma reunião em que todas as JUGs brasileiras foram convidadas. Nem todas compareceram, mas a maior parte estava representada lá. Todas as convidadas sabiam que a pauta era uma reorganização da comunidade brasileira, porque com um grupo puxando para um lado e outro grupo puxando para outro, não se chega a lugar nenhum. A realidade é que no Brasil fazemos muita coisa bacana, mas é cada um por si. Resultado: às vezes ao invés de um colaborar com o outro, um acaba ferrando o outro - mesmo que essa não seja a real intenção. Mas de boa intenção o inferno está cheio.

Hoje no Brasil, podemos dizer que temos 9 JUGs realmente ativas: RS, SP, DF, TO, PB, CE, RJ, Carioca e agora a JUG Baiano. Dessas, 3 encabeçavam o movimento de integração da comunidade brasileira DF, RJ e RS, com forte apoio da JUG SP. 

Que raios de movimento é esse? Voltemos à história. Não existe nada que funcione nesse mundo sem organização. Quando não se tem um foco, não existe um time, mas um agrupamento de pessoas. O foco geralmente é dado por líderes que aparecem espontaneamente e, mesmo não havendo hierarquia, essas pessoas acabam ajudando o grupo a se organizar e caminhar juntos.

Tínhamos então o grupo dos ex-organizadores do JoomlaDay Brasil. Começou-se a pensar uma Associação de Joomleiros, em que houvesse representatividade de todas as regiões, com objetivos como: ajudar no apoio aos eventos e ajudar os joomleiros e joomleiras a se desenvolverem e se colocarem no mercado de trabalho. O estatuto está pronto há muito tempo. E adivinhem? É muito legal! Seria ótimo se tudo aquilo que está escrito ali virasse realidade. Sabem por que não vinga? Fizemos uma nova tentativa no ano passado, com consultoria do SEBRAE e tudo. Sabe quantas pessoas estavam realmente comprometidas com o projeto? Duas. Várias falavam que apoiavam, que iam entrar. Mas na hora do vamos ver, só duas mesmo. Dá para fazer uma associação assim? De forma alguma. Não estamos maduros enquanto comunidade para isso. Muito menos para uma Cooperativa.

Qual é a realidade da comunidade brasileira de Joomla hoje? Não vou repetir o que eu disse aqui: Afinal, a comunidade brasileira de Joomla existe? Leiam e depois voltem :)

No ano passado, iniciou-se um forte movimento para tentar integrar os diferentes grupos brasileiros. As pessoas mais ativas tinham muito claro: enquanto algumas pessoas na comunidade continuarem fazendo o que querem e desrespeitando as opiniões dos demais, isso não funcionará. Mas que pessoas são essas que nadam contra a maré da colaboração? Calma que vamos chegar lá. Só não espere encontrar nomes, pois não considero isso ético.

Opinião da maioria dos líderes brasileiros: "Essa pessoa não está nem aí para o espírito de comunidade. Ela só quer fazer marketing pessoal, aparecer, custe o que custar." Minha opinião até alguns meses atrás: "Perdoa, Pai, ele não sabe o que faz. A pessoa só não entendeu o conceito de colaboração ainda, mas vamos todos juntos construir um coletivo que a pessoa vai compreender e vir com a gente."

Quem estava errada? Sim, eu. Ai como eu sou romântica, gente!

E aí começamos o primeiro movimento no sentido dessa integração: a participação da comunidade Joomla no FISL - Fórum Internacional de Software Livre, realizado em Porto Alegre.  

Desde o início do ano, a organização do JoomlaDay Brasil 2015 estava em contato com os Coordenadores Gerais da ASL, que é a associação que promove o FISL. Tivemos reuniões aqui em Brasília, planejamos uma participação maior do Joomla no FISL de modo a promover o JDBR. Mas mais do que isso, a ideia era fazer um movimento permanente de apoio ao Joomla no Brasil, porque essa é a função da ASL, promover o software livre. Isso era segredo? Não. Divulgamos na página do Facebook do JoomlaDay Brasil 2015 que tínhamos o apoio daquela prestigiada associação nacional de fomento ao software livre. Eu disse isso no palco do JoomlaDay Ribeirão Preto em março. Para iniciar a aproximação, nós enviamos um email à OSM (Open Source Matters - para quem não sabe, a organização sem fins lucrativos que cuida da estratégia do Joomla) a pedido da ASL buscando fazer esse intermédio, para que a ASL pudesse alinhar-se aos objetivos estratégicos da OSM e ajudar da melhor forma possível. 

Tudo feito de modo planejado. Discutíamos com a ASL como usar o FISL para promoção do JDBR sem concorrer com ele. Decidimos por criar uma Trilha Joomla, com várias palestras e oficinas, sem trazer dessa vez nomes internacionais que pudessem ofuscar o JoomlaDay Brasil, apenas se isso fosse para fomentar a parceria entre eles.

E sabem o que aconteceu? Num belo dia, eu recebo o email do líder de uma JUG me perguntando se o planejamento em relação ao FISL tinha avançado e se eu sabia que um joomleiro estava organizando um JoomlaDay dentro do FISL.

Como assim, minha gente? Nós fazendo um movimento estratégico com as lideranças e uma pessoa correndo por fora, sem falar com ninguém?

Essa pessoa diz por aí que "não estava organizando um JoomlaDay". Mas vocês querem saber? Eu tenho a cópia de todos os emails e tudo começa assim: ele manda um email para os organizadores da área temática dizendo que quer palestrar e pedindo para que o FISL pague a sua passagem e hospedagem. Então olhem o que aconteceu, conforme a explicação de um dos organizadores das áreas temáticas:

 

 

Aí eu pergunto para vocês: se existe uma equipe organizando o JoomlaDay Brasil, se você sabe que essa equipe está com parceria com a ASL, e um organizador de uma área temática sugere fazer um JoomlaDay dentro do FISL, o que você faz? Uma pessoa imbuída do espírito de colaboração, conversaria com os demais, correto?
Mas o que uma pessoa que trabalha sozinha faz?

Vocês viram que ele teria se comprometido a "montar um projeto"? Imediatamente ele disparou email para a OSM perguntando se podia usar o nome JoomlaDay no FISL. Mas lembram que a OSM já tinha recebido uma correspondência oficial da organização do JoomlaDay Brasil 2015 fazendo a ponte entre a ASL/FISL e OSM? O OSM só falta me responder: "que porra é essa aqui?" Mas não, porque eles são educados, então só me perguntaram o que estava acontecendo porque havia claramente um desencontro de informações.

A pessoa também já havia mandado email para várias lideranças internacionais convidando para palestrar no FISL. Alô? A nossa estratégia com a ASL não era fortalecer o JoomlaDay Brasil e não concorrer com ele trazendo nomes de peso para o FISL? Sim, era. Mas a pessoa não está interessada em estratégia de longo prazo, de conversar com as lideranças nacionais. Ele vai lá e por conta própria, em nome dele mesmo, e convida os gringos pra virem. Um dos que confirmou presença - o David Hurley - nem mais no Joomla estava, acreditem. Ryan respondeu para a pessoa durante o JoomlaDay Ribeirão Preto que iria, depois de eu ter divulgado no palco a parceria com a ASL, e a pessoa não falou nada, deixou o bonde correr, a revelia dos demais - especialmente dos organizadores do JDBR15.

Para vocês entenderem melhor a diferença: nós enviamos uma correspondência à OSM em nome da ASL, com texto aprovado pela ASL, buscando iniciar uma parceria da OSM com o FISL. Convidando os líderes da OSM que quisessem vir ao FISL para conversar sobre essa possível parceria. Agora olhem o email que a pessoa mandou:

 

Hi mates, how is going?
Anybody would like about Joomla in the largest event of Open Source/Free Software in Brazil?
 
 
Please talk with [organizador da área temática, que estava copiado no email] l in attach.
 
King Regards
 

 

Quando esses emails chegaram a mim, o que eu fiz? Um escândalo? Quis matar a criatura que estava se atravessando em todo um planejamento de meses? Fazendo parecer desorganizado todo um movimento organizado que estava sendo feito? A gente estava trabalhando duro por aquilo. Não. Simplesmente mandei um email para o coordenador da área temática, sem copiar ninguém para não expor a pessoa, dizendo:

 

Oi, [organizador da área temática]! Sou a Ana, da Joomla Calango em Brasília. Por favor converse com o [Coordenador Geral da ASL] pois estamos fazendo um movimento mais estratégico com o Joomla esse ano no FISL, inclusive, buscando um acordo de cooperação entre ASL e OSM, organização por trás do Joomla.

É uma pena que um membro da comunidade tenha por si só resolvido articular coisas individualmente, inclusive mandando mensagem para pessoas da liderança do Joomla, quando temos um movimento organizado pela equipe da organização do Joomla Day Brasil mais três grupos de usuário Joomla articulando, a pedido da ASL, uma parceria mais estratégica com a OSM.

Aguardamos resposta formal da OSM de uma mensagem com conteúdo sugerido pelo [coordenador da ASL]. No email é inclusive feito um convite para todos os membros da diretoria da OSM virem ao FISL (no que se inclui o Ryan).

É realmente frustrante saber que alguém da comunidade, que não tem representatividade de nenhum grupo, se atravessou no processo com uma ação individual. Isso pega muito mal para a gente no exterior. E para mim é especialmente frustrante porque tenho uma relação de amizade com a pessoa.

Uma de nossas propostas para a ASL é a realização do Joomla Day Brasil no FISL no próximo ano. Fui
informada de que havia uma tentativa INDIVIDUAL de fazer um Joomla Day no FISL ainda em 2015, mas isso NÃO está alinhado com a nossa proposta de usar nosso espaço do FISL para bombar o Joomla Day Brasil 2015, que acontece em setembro em Brasília, com o apoio do [nome dos dois Coordenadores Gerais da ASL]. Muito pelo contrário, isso poderia prejudicar o público do evento nacional oficial como já aconteceu em 2012, exatamente pelo mesmo motivo e envolvendo a mesma pessoa.

Sinto muito pelo ocorrido, mas tenho certeza que com sua experiência você já deve conhecer certas nuances que infelizmente temos que conviver dentro das comunidades. Obrigada por sua atenção,

 

Observem que eu:

1. Expliquei o ocorrido - como eu tinha obrigação de fazer.

2. Falei de meu sentimento de amizade pela pessoa [que agora é inexistente].

3. Disse que ele não poderia tomar sozinho uma decisão dessas porque ele não tem "representatividade de nenhum grupo". E não tem. Nem mesmo a uma JUG ele pertence. Ele não estava ouvindo os demais membros da comunidade, ele estava correndo por fora sozinho.

 

Fui grosseira? Desqualifiquei a pessoa? Acho que não. Simplesmente relatei o fato, sem julgar os motivos da pessoa estar fazendo aquilo ou o seu caráter.

Agora olhem a resposta da pessoa num email copiando todo mundo, inclusive os organizadores da área temática do FISL:

 

Agora o que me surpreende é ouvir da Ana, que eu inseri ela na comunidade o ano passado convidando-a para palestrar no evento nacional que organizamos em SP, falar que eu "não teria autoridade para representar a comunidade Joomla no FISL." Ana eu ajudo e organizo eventos Joomla pelo Brasil desde 2011, palestrei em eventos como Flisol, LatinoWare, CampusParty e outros eventos sempre divulgando o Joomla pelo Brasil e muita gente me conhece por isso, inclusive o [cita os dois organizadores da área temática] que está em cópia. Aliás até o GUJ do FISL de 2011 estive presente e estava lá tirando as dúvidas de várias pessoas que vieram procurar nossa bancada. Se realmente falou isso, creio que você como outras pessoas aqui do grupo não conheça o significado da palavra: MERITOCRACIA. Você tem menos de um ano de comunidade Joomla e nunca organizou um J!Day, verás a luta que é e ainda tem muito o que fazer por ela e muito a saber sobre a comunidade Joomla do Brasil também.

 

Que linda postura, hein? Aqui fica provado que essa pessoa é tudo, menos um líder. Vejam bem:

1. Ele não me inseriu coisa alguma na comunidade. Minha palestra foi escolhida para o JoomlaDay que ele organizou por uma comissão de 5 pessoas. E foi escolhida porque eu coordeno um trabalho consistente com Joomla dentro da maior instituição financeira da América Latina desde 2012. Eu me inseri na comunidade. E a comunidade me acolheu maravilhosamente. Tanto a nacional quanto a internacional.

2. Eu disse que ele "não teria autoridade para representar a comunidade Joomla no FISL" ? Por favor leiam de novo meu email. O que eu disse é que ele não tinha representatividade de nenhum grupo para tomar decisões relativas à organização de um JoomlaDay dentro do FISL. E não tem mesmo. Nenhum indivíduo isolado tem. Nem eu, nem a presidente da OSM.

3. Agora vejam que lindo como ele me desqualifica para todos os demais. Fala em "meritocracia", que é uma coisa que pessoas antigas geralmente usam para blindar os novos usuários que querem colaborar. Fala que eu nunca organizei um J!Day - o que não era verdade, pois eu estava na equipe que organizou o JoomlaDay Brasília 2014 e também na equipe do JoomlaDay Brasil 2015 - sem contar a quantidade de eventos grandes que eu já havia organizado na minha vida toda nas empresas que já trabalhei. "...e ainda tem muito o que fazer por ela e muito a saber sobre a comunidade Joomla do Brasil também" - tipo: cala boca, sua pirralha, que você não sabe de nada aqui.

 

Ai, gente, lindo né? #SQN

Era pra qualquer um perder a calma diante disso. Não eu, que sou compreensiva ao extremo. Minha resposta:

 

[organizador da área temática], não há motivo algum para você se desculpar [ele pedia desculpas na sua mensagem]. Nós agradecemos muito o seu apoio e de todos do FISL ao Joomla. Eu é que peço desculpas por esse inconveniente.

O que aconteceu aqui foi uma embaraçosa falha de comunicação. Fomos surpreendidos com uma ação individual do [Fulano] contatando lideranças internacionais para vir ao FISL e tratativas para fazer um Joomla Day, quando já estávamos numa estratégia maior junto com ASL e OSM para fortalecermos o Joomla Day Brasil e usarmos o FISL para "bombar" o evento nacional e não concorrer com ele, como já aconteceu antes.

[Fulano], acho que você não compreendeu bem. Em momento algum eu quis dizer que você não tem legitimidade na comunidade. Eu, e acredito que todos os demais, reconhecemos o seu trabalho na organização de Joomla Days e atuação em outros eventos Open Source. O que eu disse, e repito, é que você não tem representatividade nesse assunto em questão, que NÃO está sendo tratado por mim individualmente, mas por uma equipe de organizadores do Joomla Day Brasil e representantes de 3 JUGS, diretamente com a Coordenação do FISL. No palco do Joomla Day RP eu falei sobre esse movimento, como você deve lembrar, e já tínhamos divulgado na fan page do Joomla Day Brasil 2015 esse apoio da ASL.

Então muito me entristece que você questione meu trabalho ou minha postura, sendo que eu sempre fui a pessoa que te defendi em todas as discussões, dizendo que não acreditava que as suas ações eram mal intencionadas - você pode perguntar a qualquer membro da comunidade que tenha discutido esse assunto comigo e é exatamente isso que você vai ouvir. Eu estive na sua casa há pouco mais de uma semana, conheci sua esposa e filhos, insisti sobre a importância de você ir no Joomla Day Brasil, justamente porque te considero importante para a comunidade. Não foi exatamente isso que aconteceu? Então por favor não "compre" a ideia de que estou tirando o seu mérito porque isso não é verdade. Mas depois eu e você discutimos esse assunto em particular, sem os demais copiados.

Infelizmente, o que ocorreu agora é apenas mais um exemplo do que eu já falei muitas vezes, que continuamos tomando decisões individuais na comunidade sem conversar com os demais para saber os movimentos que já estão acontecendo. Sei que isso não é uma dificuldade apenas do Joomla, mas de muitas comunidades.

Que sirva para o nosso aprendizado. E continuemos o trabalho, porque ainda há muito a ser feito. Todos juntos, coletivamente, alinhados. E por favor sem desgastes pessoais. Porque todos aqui tem um mesmo objetivo.

 

A partir daí, ficou resolvido o problema com o FISL. Claro que os coordenadores da ASL estiveram mais uma vez reunidos conosco em Brasília e tivemos de dar explicações sobre esse embaraçoso acontecimento. Que vergonha! Mas seguimos trabalhando duro. Fizemos um projeto conjunto: JUG RJ, JUG DF e JUG RS. Mandamos para o FISL, foi aprovado. 

Colocamos um post aberto nos grupos de Joomla no Facebook perguntando quem vinha ao FISL e queria participar conosco. Algumas pessoas se inscreveram para a caravana, outras entraram em contato querendo ajudar a organizar. TODAS as pessoas que se dispuseram a ajudar foram convidadas a palestrar.

O FISL aprovou o patrocínio de passagem aérea para um membro da comunidade e hospedagem para três. O que fizemos? Colocamos em discussão entre todos os que estavam envolvidos na organização, estabelecemos critérios e escolhemos, juntos, quem seria beneficiado. Entendem como acontece um trabalho em equipe? Fui eu mesma que incluí na proposta o pedido de patrocínio de passagem e hospedagem, mas eu não fiquei com elas automaticamente para mim. Eu compartilhei a oportunidade. E outras pessoas foram escolhidas, não eu. E eu fiz parte dessa decisão, achei justa.

A Trilha Joomla no FISL foi um sucesso! A maior participação do Joomla no FISL desde então. E ela não tem um nome de organizador. Várias pessoas organizaram juntas, várias pessoas ajudaram na hora. Isso se chama trabalho coletivo. O mérito é do GRUPO. Não tem alguém que enche a boca para dizer "EU fui o organizador do evento tal". Esse é o espírito de coletividade que estamos buscando. Ninguém chamou mais atenção que ninguém. [Se quiserem saber mais como foi a Trilha Joomla no FISL, acessem a Joomla Community Magazine]

 

Vocês acham que depois daquele meu último email o Fulano falou comigo? Claro que não. Ele foi num grupo fechado de email dos ex-organizadores do JoomlaDays, em que eu não estava, e repetiu todas aquelas coisas que havia dito sobre mim. Reparem: eu não estava no grupo. Sim, covardia, pelas costas. Vou copiar o email aqui para vocês tirarem suas próprias conclusões:

 

Há algumas semanas atras a organização do FISL entrou em contato comigo pedindo para indicar alguns
nomes gringos para representar o Joomla no palco principal do evento. Indiquei 5 nomes e eles começaram
a conversar diretamente com o pessoal da organização do FISL sempre em cópia comigo. Antes ainda do
JDaySP entraram em contato novamente pedindo uma opinião sobre o David Hurley e Ryan Ozimek,optaram
pelo David e durante o JDay semana passada o Ryan falou comigo sobre o interesse de vir ao evento.
Resumindo: as negociações avançaram e o David já esta confirmado no palco principal do FISL e
provavelmente o Ryan virá tambem com patrocinio da OSM. Novamente o pessoal da organização entrou em
contato comigo me convidando a palestrar no evento e como eles estão pagando todas as minhas despesas,
eles me pediram uma ajuda extra, que seria a organização de um JoomlaDay dentro do FISL, falei que nao
tinha certeza se era possivel fazer isso e que consultaria o EventsTeam sobre essa possibilidade, (havia
sugerido há organização de um JoomlaCamp ou BrazilCMS, ja que havia ocorrido um DrupalCamp dentro do
evento em edições anteriores e neste momento colocaram representantes de outras comunidades na
conversa). Neste meio tempo entrei em contato com o Emerson e falei a ele sobre o espaço que foi
concedido para a comunidade e o indiquei como organizador do GUJ (Grupo de Usuários Joomla), porém ele
viu isso de forma errada e não aceitou minha ajuda e nem intervenção junto a organização para conseguir
este espaço pro GUJ.

Ocorre que logo depois a Ana alertada não sei se pelo Emerson ou pelo Saurabh (que sabemos da ligação
que tem com uma das organizadoras do JDBR15) enviou um email para várias pessoas da organização do
FISL e os mesmos me enviaram o texto abaixo:

"Recebemos a pouco um email da Ana Barcellos reclamando da proposta de
se realizar um JoomlaDay no FISL, pois ela está organizando o JoomlaDay
em setembro em Brasília. Ainda, ela argumentou que você não teria
autoridade para representar a comunidade Joomla no FISL"

Minha sorte e que os organizadores do FISL reconhecem meu trabalho junto a comunidade em vários eventos
Brasil a fora e me enviaram isto perguntando o que estava ocorrendo e se existia uma richa na comunidade
Joomla.

Finalizando: Liguei diretamente pra um dos organizadores do evento, falando que não poderia organizar o
evento (mesmo ainda nao tendo resposta da OSM que através do Saurabh disse que responderia em ate dois
dias e ate agora nada de se posicionarem com relação ao meu email) e que se eles optarem por retirarem o
convite a minha participação como convidado do evento eu entenderia, devido a todo esta confusão gerada
com o Emerson e a Ana que se apresentou como organizadora do JDBR15 e que muito me surpreendeu ao
citar que eu nao represento a comunidade Joomla. Já respondi a ela sobre tal msg enviada para a organização
e fiquei surpreso dela falar isso de mim, que foi quem a inseriu na comunidade, convidado­a a palestrar no
JDBR14. E ai eu concordo contigo [nome de um membro do grupo] que a OSM realmente é um rolo, faz muita merda la dentro, solta
dinheiro pra galera ficar viajando pra churrasco e cervejada com os Joomlers e faz­se o que
melhor convém pra ela ou para seus integrantes que assim como nós tem seus desejos pessoais,
profissionais, etc.

 

Vamos aos esclarecimentos:

1. David Hurley não veio ao FISL porque saiu do Joomla. Ryan não veio porque não fechou com a agenda dele.

2. Viram ele repetindo a história se fazendo de inocente e novamente me desqualificando? Sendo que tudo já havia sido esclarecido nas mensagens anteriores com os organizadores do FISL? Novamente distorcendo as informações.

3. Ele disse mesmo que a OSM "solta dinheiro pra galera ficar viajando pra churrasco e cervejada com os Joomlers e faz­se o que
melhor convém pra ela ou para seus integrantes que assim como nós tem seus desejos pessoais, profissionais, etc."? Mas não era exatamente o que ele estava fazendo em relação ao FISL? Usando o evento como lhe convinha, sem consultar ninguém mais, de acordo com seus próprios desejos pessoais e profissionais?

Para quem não sabe, o Fulano foi banido há alguns meses do grupo Joomla internacional no Facebook justamente porque fez uma acusação de abuso de poder e uso indevido de verba num post em que depois ele compartilhava o link de um artigo que ele interpretou muito mal. Depois ele voltou para o grupo por intermédio de um outro joomleiro brasileiro que tentou ajudar, desconhecendo o fato do banimento.

4. E viram essa parte aqui?

Ocorre que logo depois a Ana alertada não sei se pelo Emerson ou pelo Saurabh (que sabemos da ligação
que tem com uma das organizadoras do JDBR15)

Pera pera pera. Ele está mesmo insinuando que eu tenho informações privilegiadas porque tenho uma "ligação" com alguém da liderança? Ele está mesmo questionando a ética dessa pessoa da liderança, que abriria assuntos sigilosos para mim? E ele está mesmo fazendo uma insinuação sobre a minha vida pessoal num grupo de pessoas que nem me conhecem e que, portanto, não sabem de ligação nenhuma, muito menos ele Fulano, com quem eu nunca sequer tive uma conversa sobre minha vida pessoal e tudo o que ele "sabe" é de suposição da cabeça dele? 

Bonito isso, né? Pera que tem mais coisa mais baixa ainda por vir.

Claro que outras pessoas envolvidas da organização da Trilha Joomla no FISL responderam confirmando tudo aquilo que eu o que já contei aqui para vocês. No meio do relato tem inclusive a frase:

"E, novamente, não venha querer cagar em cima da Ana. Todo mundo que já ta sabendo da história toda tá furioso contigo. Ela, [outro organizador do JDBR] e outras pessoas já estavam há meses organizando parceria com o FISL, inclusive ASL pegou voo e foi pra Brasilia pra discutir pessoalmente, e você se meteu no meio pra ganhar tudo de graça e tocou o foda­se sem ninguém saber, e agora tá com o cu na mão se fazendo de vítima e ameaçando sair dessa lista."

 

 Vejam o que outro membro do grupo responde:


Fulano, se você sabia disso tudo [explicado pelo Beltrano e o Ciclano] e mesmo assim veio plantar essa informação a respeito da Ana, aqui no grupo, é usar de má fé.

 

Continuemos, nessa sequência de emails (lembrando que eu nem estava ainda naquele grupo).

Quando o Fulano não tem mais argumentos, olhem o que ele fala:

 

"Eu mesmo sou um que assim como os outros tenho tendência a se afastar e ficar offline dessa lista, até mesmo porque tenho perdido minhas forças e desacreditando cada vez mais da comunidade Joomla não só no Brasil como lá fora também, onde recentemente com o resultado do JET ela demonstrou que também é promiscua e atende as necessidades e critérios que convém ao grupo ou pessoas do grupo."
 

Contextualizando: eu e a Ariadne Pinheiro fomos selecionadas pelo JET Programme para ir para o JAB 2015 em Praga com as despesas pagas pelo Joomla. Então aqui ele está acusando o JET Team de fazer uma escolha promíscua por atender "necessidades e critérios que convém ao grupo ou pessoas do grupo".

Ele está me desqualificando de novo minha gente? Sim está. Imagina! Eu que só tenho um ano de comunidade fui escolhida e ele não. E o que ele quer dizer com "necessidades e critérios que convém ao grupo ou pessoas do grupo"? Vou explicar para vocês.

Primeiro, ele não sabe quais são os critérios de escolha do JET e pelo jeito nunca procurou saber. Existe uma pontuação objetiva de acordo com a contribuição para a comunidade especialmente no último ano. Cada coisa vale uma pontuação diferente. No final, eles classificam as pessoas por essa pontuação e vão descendo na lista até onde durar o orçamento. Critérios objetivos.

E essa pontuação não é dada por uma pessoa apenas. Ela é discutida pelos 5 membros da equipe. Então mesmo que uma pessoa quisesse beneficiar alguém não conseguiria, porque existe um grupo fazendo isso. E como esse grupo tem amigos diferentes que (se fossem anti-éticos) poderiam querer beneficiar, se criam esses critérios objetivos. Como eu sei isso? Não, não tenho nenhuma informação privilegiada. Tanto que não tenho a mínima ideia do que pontua mais ou pontua menos. E sabem por que isso não é divulgado? Senão algumas pessoas - os chamados "caçadores de JET" (sim, eles existem!) - ao invés de ajudar a Comunidade genuinamente só iam procurar fazer o que pontua pra ganhar viagem. E o objetivo não é esse. O objetivo é reconhecer os voluntários que estão fazendo um trabalho bacana - e não aqueles que fazem pra ganhar alguma coisa em troca.

Mas por que mesmo ele falou dessa história de promiscuidade? Possivelmente porque o membro da liderança que lá em cima ele insinuou que tinha uma "ligação" comigo fazia parte do grupo. Então ele, como não foi escolhido, desqualifica todo mundo:

  • Desqualifica um membro respeitado da liderança, de quem não se tem nenhuma história de conduta anti-ética.
  • Desqualifica um grupo de 5 líderes que fizeram a escolha.
  • E me desqualifica, porque claro que eu não sou competente suficiente para "ganhar" dele, só se eu "der pra alguém". [SEXISMO]


Então vamos aos fatos:

Essa pessoa organizou, nesse período analisado pelo JET, um JoomlaDay Brasil, um JoomlaDay regional e palestrou em eventos.

Eu, no mesmo período, organizei um JoomlaDay Regional, estava organizando o JoomlaDay nacional e também palestrei em eventos. Aí já temos um empate, né? Mas eu ainda era a líder da tradução do Português do Joomla Resouce Directory, ajudava com traduções do Joomla Docs, tinha escrito vários artigos para a Joomla Community Magazine, era co-organizadora do movimento de revitalização do joomla.com.br, tinha lançado o mulheres.joomla.com.br com a Ariadne Pinheiro, que teve repercussão nos movimentos de software livre nacionais e até internacional, e ainda estava na coordenação da Trilha Joomla do FISL (onde ele também poderia estar se não tivesse se atravessado, ele seria totalmente bem-vindo se tivesse se juntado ao grupo ao invés de correr por fora). 

Então, sejamos sinceros, isso é a tal meritocracia que ele vomitou lá em cima. Quem está trabalhando mais, recebe melhor pontuação. Simples assim. Justo. E como deve ser.

Mas vocês viram que a pessoa não apenas não entende isso como faz questão de jogar o veneno, de plantar a maldade.

Continuando...

Quando minha entrada foi aprovada no grupo dos ex-organizadores do JoomlaDay, por unanimidade, eu tive acesso a todos esses emails do histórico. Obviamente me senti desqualificada e ofendida. E por favor lembrem os textos que escrevi, lembrem que não havia nenhuma desqualificação nem nenhuma ofensa de caráter pessoal ou profissional a ele.

O que vocês fariam no meu lugar? Claro, chegariam se apresentando, contando qual o envolvimento de vocês com Joomla hoje, e lembrariam que temos um código de conduta no Joomla, que vale para lista de emails, e que nele está dizendo que devemos ser legais e éticos com os coleguinhas. E que no Joomla também temos o valor da equidade de gênero, então que insinuações sexistas em que uma mulher é desqualificada e suas conquistas reduzidas a privilégios por "ligação" com algum homem não são adequadas. [Não, eu jamais atacaria ele de volta se é o que vocês estavam pensando.].  Vejam como eu escrevi:

 

Boa tarde, meninos!

Antes de começar a dar pitaco por aqui (rs), gostaria de agradecê-los por me aceitarem como parte deste grupo e também aproveitar a oportunidade para me apresentar, para quem ainda não me conhece.

Sou analista de TI no [empresa em que trabalho] e responsável pela idealização e implementação do nosso projeto de Joomla na intranet. Minha área de atuação é muito voltada à Educação e Gestão de Informação com base em Software Livre, com o que trabalho desde 2009.

Além disso, sou:

- Líder da tradução PT-BR do JRD - Joomla Resources Directory
- Autora na Joomla Community Magazine
- Co-gestora do projeto Joomla.com.br com Ariadne Pinheiro e Rodrigo Spillere
- Idealizadora e co-gestora do projeto mulheres.joomla.com.br.
- Membro da JUG Calango e da organização do Joomla Day Brasília 2014.
- Membro da Coordenação Geral do Joomla Day Brasil 2015, sendo a responsável por trazer o apoio do Ministério do Planejamento e da Associação Software Livre Brasil.
- Membro da coordenação da Trilha Joomla no FISL16 e uma das organizadoras do Grupo de Usuários.
- Membro da equipe de tradução do Joomla Docs.
- Palestrante em eventos de Software Livre e Joomla desde 2011, inclusive na Joomla World Conference 2014, em Cancun (Ignite Session). Educadora Corporativa no [empresa em que trabalho], capacitando funcionários em Mediawiki e Joomla.
- Freelancer em projetos de Joomla.
- Uma das selecionadas no JET Programme 2015/1 (JAB - Praga), pelo trabalho voluntário que venho desenvolvendo na comunidade no último ano. No evento em Praga, tive a oportunidade de trabalhar muito pelo JDBR, além de no projeto de revitalização de nosso fórum em Português.  


Achei importante começar me apresentando, porque li num tópico anterior deste grupo uma insinuação de que o resultado do JET Programme não teria sido justo e até uma insinuação de que eu teria sido de alguma forma beneficiada por ter uma "relação" com alguém da liderança (oi?) - o que desqualifica todo um trabalho que consome praticamente todas as minhas horas livres e que me causa muito stress. As pessoas daqui que trabalham mais diretamente comigo sabem a seriedade que conduzo todas as minhas atividades na comunidade e toda a minha dedicação. 

Então aproveito a oportunidade para lembrar que temos um Código de Conduta no Joomla, que é aplicável inclusive a mail lists, e que insinuações sexistas como essa não são adequadas - além de serem anti-éticas e desrespeitosas.

Quem se interessar por essa discussão sobre o preconceito contra a mulher no Joomla e na TI, pode ler mais sobre o assunto no site mulheres.joomla.com.br e está super convidado a contribuir.
        
Quem estiver interessado no meu envolvimento com o Joomla - e não na minha vida pessoal (#ironiamodeon) - pode acompanhar meu novo blog: anabarcellos.joomla.com/blog.

Por último, mas não menos importante, gostaria que soubessem que, como boa gaúcha, sou objetiva e falo o que eu penso. Mas discuto ideias - ou seja, se eu não gostar da sua ideia, não quer dizer que não gosto de você - e sou flexível para mudar de opinião se me derem bons argumentos. E sou educada. :) Qualquer coisa diferente disso, tenham certeza que minha conta foi hackeada. :P  

Abraço,
Ana

Olhem a sequência de respostas:

Primeiro um dos membros me dá as boas-vindas. Depois um fala isso:

 

@Ana, você tem títulos demais, acho que muitos mais do que é necessário pra trabalhar nesta comunidade. O único titulo que eu tenho é = "Usuário de Joomla desde 2005", pronto, sem adornos nem flores.

Além disso, você entra no grupo com questões que não tem nada haver aqui como o negocio do "Codigo de Conduta", ou "preconceito da mulher na TI", acho que esta um pouco fora de contexto.

Pra trabalhar para esta comunidade não precisa contar sua vida, nem passar na nossa cara seus títulos extra-galáticos, simplesmente faça, trabalhe, e não procure briga com ninguém, acho que isso aqui as vezes temos demais.

Obrigado por tudo que você já falou ou possa falar daqui pra frente, e por favor tente não dar lições de moral pra gente!

Obrigado e se serve de algo, eu fui um dos que não aprovou sua participação neste grupo.

Sinto muito se alguém acha que estou sendo duro. Não tenho problema em abandonar o grupo se acham que assim foi.

 

[Acho que dispensa comentários, né? Só lembrado que na votação para minha entrada no grupo não tinha nenhuma oposição ao meu nome, nem mesmo da pessoas acima.]

Eu respondo claro:

 

Brigada, [pessoa que me deu boas-vindas] querido!
Espero que possa te ver no JDBR :)

Aos demais, peço desculpas por ter chegado causando discussão. Infelizmente, nem todas as pessoas têm maturidade para discutir assuntos sérios sem transformar em ataques pessoais.

[nome da pessoa do email anterior], vou considerar que talvez você tenha problemas de interpretação de língua portuguesa e não entendeu nada do que eu disse, uma vez que eu estava apresentando o trabalho que eu faço justamente por ter sido ofendida anteriormente e justamente porque eu não costumo divulgar esse trabalho - então é natural que as pessoas não me conheçam e não saibam do meu envolvimento no projeto. Se não te interessa, não leia. Tão simples.

Títulos intergalácticos? Quer que eu te mande meu currículo lattes? :P
Aliás, você verá que não fala de Joomla lá. Joomla não faz parte nem da minha carreira acadêmica nem influencia em nada na minha carreira no [empresa em que trabalho] - amanhã posso estar trabalhando com Mainframe, tanto faz, meu salário é o mesmo. Aliás, Joomla até me prejudica lá. Joomla pra mim é trabalho voluntário e ideologia, porque acredito no seu poder de transformação na vida das pessoas e também no potencial das comunidades de software livre para ajudar a desenvolver a sociedade e o País. Mesmo os freelas só faço para ajudar projetos que acredito. Ooops! Estou falando da minha vida, esqueci que era proibido!!!!!

Tanto o assunto não era fora de contexto como na sua resposta você justamente pisoteou o CoC do Joomla. Posicionamento inadequado vindo de qualquer membro antigo da comunidade, especialmente da parte de um líder de JUG. Você pode não gostar de mim (o que é estranho, já que nem me conhece), mas não pode faltar com o respeito.

Brigas? Eu ataquei alguém pessoalmente? Como eu disse antes, eu discuto fatos e não pessoas. Não importa quem falou, isso não afeta minha relação com a pessoa, o que importa é que foi falado e é um comportamento que não deve ser tolerado. Lição de Moral? Apontar um comportamento inadequado é lição de moral? Acho que está faltando um pouco de maturidade...

Duro? Problema de língua portuguesa de novo. Palavras mais adequadas seriam rude, desrespeitoso e até cruel.

Melhor medir melhor o discurso, coleguinha. Sugestões de leitura: Joomla Code of Conduct e The Code Manifesto.

PS: Por favor abstenha-se de comentários do tipo "mal chegou e está querendo me ensinar e blablá" e outros tipos de comportamentos tóxicos que não ajudam em nada. E essa historinha de "saio do grupo se acharem que fui duro", além de infantil é muito cômoda.

 

Resposta à altura, mas com educação. Ironia sim. Mas ataque pessoal não.

Resposta da pessoa:

 

"Aliás, Joomla até me prejudica lá"

 

Então, que faz aqui no grupo? ...é um grupo para Joomleiros.

Do resto de suas interpretações não vou falar.

Aqui acabam minhas conversas neste grupo.

Peço ao responsável pela gestão do Grupo que me elimine de por vida. Não tenho tempo para ler bobagem, nem em Espanhol nem em Portugues, idiomas ambos que entendo perfeitamente.

 
Então pera. Porque trabalhar com Joomla na minha empresa de certa forma pode prejudicar minha carreira faz de mim uma não-joomleira? O resto nem comento. Vocês julguem por vocês ;) Só gostaria de acrescentar que essa pessoa não esteve atuante na comunidade Joomla no último ano. Trabalhar com Joomla é uma coisa, trabalhar voluntariamente na comunidade é outra.

Agora vamos à sequência de respostas:

 
[pessoa que havia me respondido], me desculpe mas acho desnecessária sua reação de descadastramento do grupo, acredito sim que a ANA pegou um pouco pesado em seu email e acredito que esse não seja o rumo do grupo, mas se continuarmos nesta de "Picuinha" e "Briguinha" e depois sairmos do grupo realmente nada vai mudar, acho melhor tentarmos entender o ponto um do outro e chegar em um só conclusão ou que seja muitas conclusões mas que cada um respeite o ponto de vista do outro.

Deixo aqui como dica de leitura:
http://net-hcw.ning.com/page/a-rede

Acredito que você pode contribuir muito, assim como a ANA também pode e como todos que querem e fazem.

Estão vendo, né? Eu peguei pesado. Ele que me atacou sem nenhum motivo antes e o outro que fez as insinuações maldosas não merecem nenhuma repreensão. Apenas eu que peguei pesado. Na opinião de vocês, quem fez Picuinha e Briguinha? O senso comum diz que fui eu. Qualquer um que leia a sequência de emails de novo verá que eu estava apenas me defendendo. Sozinha, claro.

 

Próxima resposta:

Uma das coisas mais importantes que aprendi [num trabalho], foram as três perguntas a serem respondidas antes de empregar a força (letal ou não) contra [alguém].

 
1) É necessário?
2) É proporcional?
3) Vai causar dano colateral?
 
O nome disso é Regras de Engajamento da ONU "Rules of  Engagement (ROE)"  e estava sempre no nosso bolso.

Penso que por falta disso, "as três perguntas básicas", estamos perdendo o apoio de pessoas que fazem parte da história do Joomla bem antes de assim ser conhecido, entrando em discussões desnecessárias e reações apaixonadas por demais. A quem interessa isso?

Paz, amor e cerveja gelada para todos!
 

 

De novo nem uma palavra sequer sobre o que fizeram comigo? Ele está dizendo que essa discussão não é importante (código de ética, respeito ao próximo)? Ele está mesmo lamentando que o outro vai sair?

Aí o cara que respondeu meu email de apresentação com aquele ataque responde:

 

Conheço muito bem as ROE's (e você sabe disso) ;)


Conhece mas não usa, pelo jeito. :P

O mesmo membro que citou as ROEs responde:

 

Grande [nome do cara],
sei que você é um Peacekeeper e aliás, cada história que você contou em São Paulo, que vou te falar viu? :-)

 

Claro. Vocês viram que ele é o Peacekeeper. Ao que se conclui que quem não é? Eu?

Aí entra a única pessoa que fala a meu favor:

 

Sim, é pertinente "preconceito da mulher na TI" ser dito aqui. E sim, "Código de Conduta", pelo menos se for querer publicamente representar Joomla, é para ser levado a sério.
 
No episódio que Fulano estava na cara dura criando um evento de grande porte logo antes do JoomlaDayBrasil no FISL, sem nem falar com os demais, e tocando o foda-se pra qual impacto causaria no evento nacional, Fulano tentou usar contra Ana hipótese dela fazer nada pela comunidade. Em contato com FISL, mesmo Ana sendo uma das pessoas que estava há meses lidando direto com o representante geral do FISL, Fulano se atravessou e, mesmo fazendo algo que obviamente todos os demais organizadores de evento ou JUGS reprovariam, disse que Ana não discutir com ele porque, na opinião dele, ela era nova, e até quis fazer chantagem emocional dizendo "fui por minha causa que você palestrou no evento X" (o que, segundo [outro membro da comunidade], é falso: foi por comissão organizadora). Tenho cópia dos e-mails para quem quiser ver Fulano desqualificando Ana e ignorando que ela fez sim coisa pra caralho.
 
Não fosse eu intervir na situação, e até mesmo o [nome do membro citado acima], o Fulano iria realmente criar um evento de porte nacional e competir por publico e patrocínios em troca dele ter espaço para palestrar e ter tudo pago para ir para Porto Alegre.
 
Até mesmo nesse e-mail, [o cara que começou o ataque] é irônico e diz que Ana tem "titulos demais" para fazer parte da comunidade Joomla. E mesmo depois de tudo que ela fez, por dizer que ajudar a comunidade até prejudica ela (e quem aqui não passa por isso?) pega e questiona porque ela está aqui no grupo, porque o grupo é para Joomleiros (como se ela não pudesse ser Joomleiro). Se isso não é sexismo, é no mínimo querer impedir que pessoas "novas" colaborem.

O termo "joomleiro" surgiu para diferenciar fazedor-de-site-joomla de quem tem espírito de comunidade. E, discordar de outras pessoas é uma coisa, agora deliberadamente podar gente nova, ou mesmo ser sexista, não merece se achar Joomleiro.
 
E, ainda sobre questão de sexismo.
 
Aqui mesmo nessa lista, em e-mail que avaliava a pertinência da entrada nesse grupo fechado de Ana Barcelos e Ariadne Pinheiro, um membro fez deixou subentendido a escolha do JET Programme teria sido em troca de favores sexuais. Ambas foram selecionadas pelo JET. Isso é extremamente sexista, uma afronta contra as duas mulheres, e uma afronta contra a própria organização internacional do JET. Isso deixou não só as duas, como outras mulheres na comunidade Joomla enfurecidas. 
 
Isso, sim, é "preconceito da mulher na TI". Elas, quer vocês não saibam por desconhecimento ou seja de má fé para desqualificar as mulheres, contribuíram sim pra comunidade Joomla. Elas mesmo fazendo muito acima da média, ainda são desmerecidas.
 
E, tanto durante o FISL como durante o JoomlaDayBrasil, esse tipo de comportamento anti-joomleiro, e tóxico para comunidade, vai ser levado pra discussão. Se vai ter cara que fez merda e depois vai se fazer de vítima dizendo que "a comunidade não é mais a mesma e por isso estou saindo", só tenho a dizer que "já vai tarde". Simplesmente não tem como continuar em comunidade com gente que se acha dono e usa isso para ofender mulheres e gente "nova", que não chegou a usar Joomla 1.0 ou Mambo.

 

Muito obrigada! :*

Vamos à próxima e última resposta:

 

Galera, uma sugestão, parem de queimar fosfato sem necessidade.

 

Claro, discussão totalmente sem necessidade. Se fosse ofensa contra a mulher ou filha dele, quero ver se teria a mesma opinião.

Vocês conseguem identificar o que aconteceu acima? Isso se chama violência. E é um caso muito típico de violência contra mulheres, quando se faz algo ofensivo a uma mulher e depois ela é taxada de desequilibrada. Transforma-se o opressor em vítima. Isso tem até nome: Gaslighting.

Explica aí por favor, Wikipedia:

Gaslighting ou gas-lighting é uma forma de abuso psicológico no qual informações são distorcidas, seletivamente omitidas para favorecer o abusador ou simplesmente inventadas com a intenção de fazer a vítima duvidar de sua própria memória, percepção e sanidade.[2] Casos de gaslighting podem variar da simples negação por parte do agressor de que incidentes abusivos anteriores já ocorreram, até a realização de eventos bizarros pelo abusador com a intenção de desorientar a vítima.

No que diz respeito às mulheres em particular, a psicóloga Hilde Lindemann argumenta enfaticamente que, nesses casos, a capacidade da vítima de resistir à manipulação depende de "sua capacidade de confiar em seus próprios julgamentos." A criação de versões alternativas dos fatos pode ajudar a vítima a readquirir "níveis normais de livre-arbítrio."

 

Pois bem, felizmente eu tenho a capacidade de confiar em meus próprios julgamentos. E não vou deixar que um grupo me convença de que eu tive uma postura errada ao me defender, quando a abusada fui eu. E sim, todos os episódios citados até agora constituem abuso psicológico. E sabem qual é o nome que se dá quando esse comportamento é repetido contra a mesma pessoa: ASSÉDIO MORAL. É isso que sofri por mais de um ano e sofro até hoje por parte de algumas pessoas nesta comunidade. E esse é um dos motivos que no ano passado adoeci, inclusive precisando começar a tomar medicamentos psicotrópicos.

Mas isso é um trabalho voluntário, você não ganha nada com isso, por que não saiu? Primeiro, por ideologia - porque acredito no Projeto Joomla e na força de uma comunidade ativa e bem organizada. Isso pode mudar vidas. Segundo, por teimosia - afinal, o que eles queriam era que eu saísse mesmo, né? Alguma dúvida disso? Terceiro, porque as pessoas que eu reconheço como verdadeirxs líderes dessa comunidade estão ao meu lado.

Nem todos os episódios de assédio moral que sofri serão relatados neste post, porque não são necessários para ilustrar o tema central: pessoas que estão trabalhando contra o espírito de comunidade. Mas saibam que quando vem da parte de alguém que você confia e considera, é bastante dolorido. Mas chega de chororô que não sou esse tipo de pessoa. Próximo tópico.

Vocês viram que Fulano foi acusado no ano passado de ter uma conduta inadequada no FISL e de desqualificar a coleguinha. Os mais compreensivos, como eu era, podem estar pensando: ah, mas de repente foi um caso pontual, todo mundo tem direito a uma chance. Então vamos aos fatos que mostram que isso não é um caso pontual e sim uma sequência de ações destrutivas em relação a um grupo que trabalha em prol da comunidade.

  • Em 2012, o Fulano resolveu organizar um JoomlaDay na cidade dele alguns meses do JoomlaDay Brasil. Algum problema nisso? Não. Tirando o fato de que ele trouxe alguns dos palestrantes do evento nacional e divulgou o evento com muita agressividade nas redes sociais, de modo a parecer muitas vezes que se tratava do JoomlaDay Brasil, já que a palavra Brasil também estava no evento dele. Resultado? Teve mais gente no evento local do que no nacional. Palmas para ele porque ele é bom? Não. Ele concorreu deslealmente com o evento nacional, uma vez que o evento dele ocorreria antes e, ao invés de palestrantes locais, como era de se esperar, contou com os palestrantes nacionais. Para que eu iria gastar para ir no evento de BH alguns meses depois se eu já tinha visto tudo mesmo, hein? No grupo de emails dos ex-organizadores de JDBR há várias mensagens naquele ano criticando o evento, por exemplo:

Olá colegas,

sem querer ser polêmico, mas, ainda que como acordo de cavalheiros, qual a opinião de vocês sobre a
nomenclatura de eventos regionais do tipo "JoomlaDay"? Lembro a todos que, ainda que esteja claro para a
maioria os tipos de eventos, tanto para novas pessoas no ecosistema do Joomla no Brasil, como para
qualquer um de fora fica realmente complicado diferenciar um evento regional do Brasil com um nacional, a
um ponto que uns dois meses atrás um conhecido meu internacional quase comprou passagens para ir no
JoomlaDay Brasil que acontece em maio.
Favor não me entenderem mal. Tanto o evento nacional como regionais tem suas importâncias, e ver meios
de prover meios ideais de coexistência saudável entre ambos os gêneros. A causa especifica deste email é
descrição do evento #jdrb no JEvents em http://events.joomla.org/all­events/21­joomla­days/93­joomladay-
brasil­ribeir%C3%A3o­preto.html.

[O link já não está mais válido, mas o nome do evento era JoomlaDay Brasil Nome da Cidade]

 

Outro:

Observei na imagem: "Joomla Day Nome da Cidade: O maior encontro de usuários do CMS Joomla do
Brasil, dias 11 e 12 de maio". Opa! Aqui há uma grande confusão! Não se trata do maior evento do Joomla
no Brasil! Se começarmos a criar este tipo de publicidade, sejam quais forem as intenções, vamos acabar
gerando uma concorrência desnecessária e é fatal que iremos enfraquecer o evento nacional.
Eventos regionais servem para potencializar o Joomla LOCALMENTE. Além disso são um impulso para
estimular os usuários a participarem, aí sim, do maior evento de joomla do Brasil.

 

  • Em 2013, o Fulano se candidatou para fazer o JoomlaDay Brasil na capital do estado em que mora. Vocês podem acompanhar a discussão aqui: http://forum.joomla.org/viewtopic.php?t=766581 Belém foi escolhida para sediar o evento, por vários motivos apresentados na discussão. Então o Fulano fez o quê? Claro, organizou o próprio evento local, divulgando daquele mesmo jeito, trazendo palestrantes de peso, três meses antes do JoomlaDay Brasil.
    E aí? O que vocês acham que aconteceu? "Para que evento eu vou? Um aqui pertinho no sudeste ou um em Belém?" Claro, mais uma vez o evento regional dele teve um público muito maior que o nacional. Mas, para ser justa, já ouvi que houveram dificuldades na organização do nacional daquele ano. Pena que não estavam todos se esforçando para promover o evento, né? No seu blog pessoal, o organizador do JoomlaDay Regional fala do sucesso do evento regional e cita que foram "270 participantes de 15 estados nos prestigiando durante os dois dias de evento".  Isso parece um evento regional para vocês? 
    Mas pera... no ano anterior os coleguinhas não tinham criticado a realização de um JoomlaDay local com características de nacional poucos meses antes do JDBR? Sim, mas quem se importa, não é mesmo? Se eu acho que estou certo, para que vou ouvir os outros? Devem estar com inveja do meu sucesso. [Ou, sei lá, querendo trabalhar em comunidade para fortalecê-la ao invés de gerar competição entre eventos]


  • Em 2014, finalmente o Fulano conseguiu organizar o evento nacional. Segundo contam as pessoas envolvidas, fez tanta decisão sem respeitar a opinião do resto do grupo, que vários ex-organizadores importantes do JDBR resolveram sair da Comissão do evento daquele ano. Outro fato curioso: na contabilização dos gastos do evento, existe um gasto com o conserto do carro do Fulano no valor de 1.300 reais [pessoalmente, concordo com as pessoas que não acharam isso correto]. Mas o evento, na minha opinião, foi ótimo! Gostei muito de ter participado.

  • Em 2015, antes mesmo de ser decidido onde seria o JDBR15, o Fulano se adiantou e começou a divulgar (em outubro de 2014) o seu evento regional que aconteceria em março. Detalhe: quando no JDBR14 foi ventilada a hipótese de se fazer o evento em Brasília, a primeira data que foi pensada foi abril. Por quê? Sendo o mês do aniversário da cidade, as passagens aéreas tem promoção. Segundo, o evento entraria na agenda de eventos de Comemoração do Aniversário de Brasília, ganhando com isso mais divulgação e possibilidade de mais patrocinadores. Obviamente, a ideia precisou ser descartada já que alguém decidiu marcar o seu evento sem planejar a data com os demais. E claro que não seria um simples evento regional. Até um palestrante da liderança do Joomla teria! Vejam o comentário de um membro do grupo sobre isso:
 
 
pois é .... se os gringos disseram que poderiam vir mais facilmente no primeiro semestre.... vamos gastar as fichas num evento em [nome da cidade]. Ótimo.....
Eu fico imaginando os joomleiros olhando eventos com mega keynotes em diferentes cidades.... o que vai acontecer? vai esvaziar.... afinal ninguém vai poder ir em todos. Logo, via escolher um para viajar e só.
 
É este o tipo de coisa que eu creio firmemente que deveria haver mais planejamento.
 
Como eu falei no passado, vejo que o caminho que será trilhado é uma grande briga de foice, pra ver quem traz o cara mais foda e enche um auditório. E no fim, comunidade não ganha nada com isso... 
 
mas enfim ... é a vida......

 

Comentário de outra pessoa:

Sobre o Brasil, penso que nunca acontecerá nada de concreto com o pensamento individualista e, consequentemente separatista e "aparecista" de algumas pessoas por aí.

[...]

Já tivemos um bom potencial, acho que no máximo até 2011/12, de lá para cá novos caminhos surgiram com novos interesses. E desta forma não acho que a Comunidade Joomla no Brasil não vai acontecer.

 

Mais uma vez, o evento local de 2015 foi divulgado com muito marketing. No fórum internacional oficial do Joomla, o título do post que o organizador divulgou foi: Joomla Day in Brazil ([nome da cidade) edition). Ué, mas desde 2012 não há pedidos para que se tenha cuidado para não confundir o público com o nome dos eventos? Para não levar o público a pensar que era o evento nacional? Mas novamente quem se importa com que os outros pensam, não é mesmo? Deixa eu bombar aqui o meu evento porque eu sou muito bom nisso. No grupo houve crítica à logo do evento, que também dava o mesmo destaque à palavra Brasil que o nome da cidade. Como ele responde? Aceita o feedback dos demais? Não. A resposta é:

 

Engraçado que recebemos várias msgs e curtidas com referencia a logo e toda a arte do evento criada pelo [nome da pessoa que criou a arte], e não seria surpresa pra mim ver tantas criticas de algumas pessoas daqui com referência a identidade visual do JDayCidade.

 

Ou seja, a pessoa distorce a informação. Ninguém estava criticando a arte e sim a palavra Brasil que consta nela. Mas ele simplesmente ignora todos os feedbacks, porque "essas pessoas aí criticam tudo o que eu faço mesmo".

E, o mais grave, o organizador usou os perfis das redes sociais do JoomlaDay Brasil para divulgar seu evento local, inclusive trocando as fotos de capa e do perfil para a identidade visual do evento local. Alguma dúvida que o público acharia que esse era o JoomlaDay Brasil? Especialmente porque a divulgação do JoomlaDay Brasil 2015 não havia começado, pois o evento ainda estava em fase de planejamento (parceria com locais para o evento)? O que vocês acham? Mas quem se importa, né? Esse assunto rendeu muita discussão na lista de emails. A unanimidade era que ele, como já ex-organizador de um JoomlaDay e uma nova comissão estabelecida, não podia mais usar a conta do JoomlaDay Brasil. O certo seria passar a administração da conta para o outro grupo, como sempre foi. Mas a pessoa se recusou. E continuou usando a conta para divulgar os eventos que apoia, mesmo não sendo mais da comissão de organização do JoomlaDay Brasil. Aliás, ele fez isso semana passada (janeiro de 2016) novamente, divulgando no perfil do JoomlaDay Brasil no Facebook, em post de destaque, um JoomlaDay local que ele está apoiando. Ele poderia fazer isso, sendo que os demais já disseram para ele não fazer? Mas... De novo, importante é realizar um ótimo evento.    

 

Uma das mensagens solicitando que ele passasse a administração das contas:

Aproveitando as discussões recentes de Fulano em nome da organização de um JoomlaDay no FISL, gostaria de pedir neste e­mail frente aos demais, que não estão por dentro do histórico, que Fulano passe acesso administrativo aos organizadores do JoomlaDayBrasil 2015 de todas as contas em redes sociais que foram confiadas a ele e que dizem representar o "joomladaybrasil" e ainda não foram devolvidas. Tais contas, além da troca de senha, tiveram e­mail de recuperação trocado.

(...)

E a argumentação dele de que "mas outras pessoas tem acesso a outras contas" é vista como ignorável porque, em quase uma década de eventos, ele é a única pessoa que tem fatos pontuais que põe em dúvida a credibilidade e confiabilidade em prol da comunidade.

 

Uma das mensagens onde o Fulano responde sobre isso.

 

Com relação a senha do Facebook [pessoa que perguntou], estou seguindo uma bela dica que aprendi com o [outro membro do grupo] aqui, de nao passar a senha de admin pra ninguem, e você tem o acesso que precisa la pra postar, editar e fazer o que quiser na fanpage do joomladaybrasil, porem criou-se outra conta para usar e se preferiu assim tudo bem, só não pode e sair falando por ai [membro que mandou a mensagem acima] que essa conta do jdbr15 foi criada so porque eu não quis passar a senha, pois isso nao e verdade, ela foi criada, antes mesmo de eu retornar de minhas ferias no ano passado e se optaram por usar esta fanpage não foi por culpa minha, já que dei o acesso que precisavam e que continuaram com o acesso até a definição do JDBR16.
 

 

Minha resposta como organizadora do JDBR15: A conta JoomlaDay Brasil 2015 no Facebook foi criada porque não nos foi passado o acesso de administração. Assim sendo, não tínhamos poderes sobre a conta, como promover campanhas pagas e, mais importante, evitar que pessoas continuassem postando em nosso nome. O que, de fato, tem acontecido até hoje, como já citado. 

 

Teve ainda discussão sobre o uso do domínio daquele evento local (que tem nome do estado e não da cidade), sobre a forma que a pessoa estava divulgando os eventos regionais no mesmo patamar do nacional, entre outras. Mas não vem ao caso. Já ficou ilustrado aqui o que precisava ser mostrado: apesar de outras pessoas, desde 2012, estarem questionando alguns comportamentos que, segundo elas (e eu concordo), enfraquecem a união da comunidade, o Fulano não ouve ninguém e só faz o que quer. Qual a justificativa dele para isso? Leiam abaixo.

 

A minha parcela de contribuição eu sempre fiz com todas as minhas forças e sempre fui reconhecido por isso, isso se aprova nos vários convites que tenho pra compartilhar sobre o Joomla e o Software Livre pelo Brasil e o respeito e respaldo que eu tenho da OSM, pois todos os eventos que organizei tive o suporte e apoio deles.

Ah e vou parar por aqui, pois me lembrei de uma frase que ouvi numa palestra da Campus que dizia "Don't feed the trolls" e vou segui­las ok não perdendo mais tempo com picuinhas e demonstrações de EGO que infelizmente em todas as comunidades nós temos.

Infelizmente são pessoas como você que as vezes desanima o trabalho de alguns em prol da comunidade Joomla, porém as pessoas que parabenizam e reconhecem o trabalho realizados nesses 8 anos que tenho Joomla me faz superar tudo isso.

 

Traduzindo:

1. Os meus eventos são bons e o público reconhece isso - Nunca vi ninguém falando o contrário, a crítica é geralmente quanto à forma individualista e não colaborativa de trabalhar.

2. A OSM me apoia, porque respalda todos os meus eventos - Todos os eventos que se encaixam nas regras estabelecidas pelo Events Team são aprovados. Isso não quer dizer endosso, isso não quer dizer reconhecimento de qualidade, isso apenas quer dizer: cumpriu as regras para ser um JoomlaDay.  

3. Não ouço o que vocês dizem porque vocês são trolls - Ou seja, só estão me perseguindo, me atacando gratuitamente. Querendo fortalecer o espírito colaborativo da comunidade?? Não... vocês estão contra mim!

4. Última frase: vitimizando-se e mais uma vez distorcendo o objeto da crítica.

 

Ah, só para deixar clara a opinião do Fulano:

Fico por aqui e não contem mais com meus comentários em mensagens posteriores a essas. Por mim estas discussões precisariam estar numa lista aberta para ciência de todos os membros da comunidade e não apenas a tal panela dos 22 (que hoje são 16) que foi como ficou conhecida essa lista quando foi criada em 2010.
 

Então estou seguindo a sugestão dele, tornando a discussão aberta para todos os membros da comunidade. ;)
E mais uma vez ele desqualificou o grupo de pessoas que tenta organizar a comunidade e vem trabalhando por ela há 9 anos, chamando de "panela"? Pois é.

 

Mas vocês sabem que tenho fé nas pessoas, né? Apesar de todos esses acontecimentos, minha opinião continuou sendo que tínhamos que fortalecer o coletivo de JUGs e, juntos, criar uma outra forma de trabalho e o Fulano acabaria entendendo o que desde 2012 outros membros da comunidade estão tentando explicar.

 

Então paralelo à organização do JDBR15, nós criamos um grupo das JUGs - que são oficialmente quem representa os usuários da sua região. Criamos um grupo de email, fizemos um hangout. Todas as JUGs foram convidadas, nem todas responderam. Fizemos uma reunião das JUGs brasileiras no último dia do JoomlaDay Brasil, buscando concretizar essa união e começar a planejar e realizar as ações conjuntamente. Decorrente disso, foi criado um grupo no aplicativo GLIP, uma decisão da reunião. A ata é pública e pode ser lida aqui.

E os esclarecimentos que ficaram pendentes na ata estão aqui.

Por favor reparem na fala das pessoas na reunião e percebam claramente quem está querendo solucionar dificuldades e quem está querendo desqualificar o resto do grupo.

Pois bem, o fato é que menos de quatro meses depois, o comportamento da pessoa voltou a se repetir, mesmo ele tendo participado da reunião. Aí, finalmente, resolvi seguir o conselho de quatro médicos que me atenderam desde o ano passado e deixar de trabalhar na comunidade Joomla Brasil. Vocês podem ler os motivos da minha saída no email que escrevi às JUGs. Desculpem pois alguns fatos serão repetidos aqui, mas não quero editar o email que mandei, para não parecer manipulação de informações. Isso foi exatamente o que as JUGs responderam:

 

Pessoal,

 
Estou saindo do grupo criado após o JoomlaDay Brasil 2015 para pensar a comunidade Joomla Brasil de forma mais integrada e organizada. A partir de agora, vou tentar restringir minhas atividades à JUG Calango e times oficiais do Joomla e gostaria de apresentar a vocês os meus motivos, pois os considero como parceiros, que merecem toda a minha consideração e respeito. (OBS: se algum de vocês estiver fora desse grupo Joomla Brasil no Glip, solicitem ao [administrador] incluí-los)
 
O motivo é: apesar de termos feito uma reunião em que todos concordaram que deveríamos trabalhar de forma mais transparente e integrada e que os eventos regionais deveriam ser planejados de forma alinhada com o evento nacional, no primeiro mês de 2016 já aconteceu o mesmo que acontecia antes, sem respeitar esse "acordo" que tínhamos feito.

Há uma semana, o Fulano mandou uma mensagem no GLIP sugerindo que o evento regional da JUG Baiano em abril se tornasse o JoomlaDay Brasil e já apresentássemos isso na Campus Party nesta semana.
Minhas considerações:

- No próprio encontro das JUGs no ano passado, em que o Fulano e muitos de vocês estavam, mais de uma JUG mostrou o interesse em sediar o JDBR, sendo a ideia mais consolidada a da JUG RS, fazendo uma parceria com a ASL e aproveitando a estrutura do FISL. Sendo assim, essa proposta de transformar o JDBA em JDBR de repente seria como passar por cima de todas as outras e, além do mais, de forma não democrática, uma vez que não foram abertas as candidaturas oficialmente - como era feito antigamente e combinamos voltar a fazer. Transparência e compartilhamento de decisões, esse foi o acordado.

- Segundo, como cai do céu, do nada, um evento regional já praticamente pronto, com os palestrantes (nacionais) já divulgados? Resposta: não caiu do nada. Já estava sendo organizado e com a ajuda de pessoas que estavam na reunião. Entre os palestrantes confirmados no site, vários estavam na reunião. Isso quer dizer que o evento estava sendo organizado por alguns, a revelia dos outros, quando combinamos que não faríamos mais isso. É proibido? Não. É errado? Olha, uma vez que combinamos que trabalharíamos em unidade, não é adequado.

Ah, mas a JUG Baiano não estava na reunião...
Mas foi convidada. E nem respondeu ao email. E, independente disso, quem a está assessorando no evento estava na reunião e deveria incentivar a JUG a abrir para os demais e não, mais uma vez, criar-se uma organização individual, onde apenas algumas pessoas que podemos considerar líderes das JUGs no Brasil tem conhecimento. O resto estava alheio.

- Terceiro. Mais uma vez, está sendo organizado um evento regional com cara de nacional. Eventos regionais, na história da comunidade Joomla brasileira, deveriam ser regionais. Palestrantes regionais e público regional. Com o objetivo de promover o grande encontro nacional da comunidade, o JoomlaDay Brasil, uma organização linda que ocorre há 9 anos no País graças a vários colaboradores voluntários. Quantos outros Países tem isso no mundo, vocês sabem? Que eu saiba, mais nenhum.

Então, só para resgatar o histórico: essa dinâmica se quebrou em 2012, quando foi realizado um evento regional com formato de nacional pela primeira vez, um mês antes do JoomlaDay Brasil. Resultado: parte do público que iria para o JDBR acabou indo apenas para o tal evento regional. Existiu uma crítica muito grande por parte dos mais atuantes do Joomla no Brasil, especialmente pela falta de espírito de colaboração e coleguismo. E pela falta de ética, porque em muitos momentos a forma com que o evento foi divulgado levava a parecer que se tratava do JoomlaDay Brasil.

Pergunta: a pessoa responsável ouviu os feedbacks dos demais e se reposicionou? Não. Em 2013 aconteceu a mesma coisa, dessa vez ferrando ainda mais o evento nacional.

Em 2015, a mesma pessoa resolveu ajudar na organização do JDSP, que era um evento regional. Os líderes da JUG se comprometeram pessoalmente comigo (tudo registrado) que o evento não seria para o público joomleiro, mas voltado para estudantes, para que pudessem ter uma caravana de pessoas novas para levar para o JDBR.
Com a assessoria daquela mesma pessoa, que inclusive colocou na sua descrição no site do FISL que era o organizador do JDSP, o evento se tornou exatamente o que tínhamos acordado que não seria, para evitar prejudicar mais uma vez o evento nacional.
A pessoa inclusive passou a lista de patrocinadores do JoomlaDay Brasil para o JDSP, que passou a competir pelos patrocinadores com o JDBR.
Acabamos tendo problema, uma vez que um dos patrocinadores que se comprometeu com o JDSP percebeu que não se tratava do evento nacional e resolveu patrocinar o evento nacional, que obviamente tinha um vulto maior com a mesma cota de patrocínio. Para não ficar mal estar entre os grupos, nós da coordenação do nacional achamos justo dividir esse patrocínio com o JDSP, uma vez que eles ficariam com saldo negativo sem esse patrocinio com o qual estavam contando. Okay, a JUGSP talvez não tivesse o histórico desses problemas acontecidos em 2012 e 2013. Mesmo porque esses assuntos nunca foram tratados publicamente, de modo a preservar a imagem da comunidade.

[Apenas deixando claro: A JUGSP é parceira e estava alinhada com o JDBR15. Particularmente acredito que os mal-entendidos que aconteceram foram influenciados por essa pessoa que tentou ajudar]
 
Mas percebam que a mesma pessoa, que tem o seu mérito pela organização de ótimos eventos e participação em eventos de software livre, continua trabalhando de forma individualista sem pensar no coletivo. Aconteceu o mesmo no início de 2015. Não sei se todos viram como o JDRP foi divulgado no fórum internacional do Joomla. O título era: JoomlaDay in Brazil (Nome da Cidade edition). Considerando que a pessoa já tinha sido criticada nos dois anos anteriores por fazer uma comunicação dúbia, que induzia o público ao erro, confundindo um evento regional com o JDBR, não acho que tenha sido ingenuidade.

Aí vocês me perguntam: pode apenas uma pessoa desagregar uma comunidade? Olha, se os demais estivesse integrados, a resposta seria não.
Mas o que eu vejo é que, com raras exceções, cada um só pensa em si. Ah, mas se eu for amigo do cara, ele me convida pra palestrar e tal. Então ta.
E é assim que cai do céu um evento regional que não foi nem comunicado ao grupo que estava sendo pensado e organizado. E várias pessoas dessa lista aqui constam lá como palestrantes.

E a JUG Baiano? Ela nem entra em contato com o grupo. Toda comunicação está sendo feita através do Fulano. Inclusive ele que divulgou o JDBA no grupo Joomlanospam (internacional) no FB. Portanto, mesmo os novos já estão começando com os vícios velhos.

Como no ano passado que o Fulano simplesmente mandou email para a OSM sugerindo fazer um JoomlaDay no FISL, sem conversar com mais ninguém. Tem uma ideia sozinho e já vai se atravessando. Nesse caso, já havia uma negociação ocorrendo há meses diretamente com a Coordenação Nacional do FISL para apoiar o Joomla no Brasil, uma ideia muito além de um só evento.

É errado? Poxa, o cara queria ajudar, ele é pró-ativo.
Sim, e causou com isso um mal estar enorme entre coordenação do JDBR, ASL e OSM. E inclusive me ofendeu numa lista de email em que eu nem estava copiada. Para quem não sabe, ele escreveu com todas as letras que a escolha do JET do ano passado foi "promíscua" e sugeriu que eu fui escolhida pelo Programa porque eu tinha um relacionamento com alguém da liderança.

Todos vocês sabem o quanto eu tenho trabalhado nos últimos 2 anos. Não apenas na organização de eventos e como palestrante, mas também contribuindo para vários times oficiais do Joomla.
É sexista e totalmente desrespeitoso sugerir que uma mulher tenha sido selecionada não como reconhecimento ao seu trabalho, mas porque está dando para alguém. Ainda mais quando a seleção é feita por um grupo de 5 pessoas e não por uma pessoa individualmente.

Sabem quantas pessoas me defenderam no grupo quando ele escreveu isso? Uma - [nome da pessoa]. E quando eu respondi citando o código de conduta do Joomla e a hostilidade contra mulheres no ambiente de TI (exemplo: ela não é boa suficiente, só consegue algo se der pra alguém), sabem o que aconteceu? Eu fui escurraçada pelo líder de uma JUG, de forma muito rude. Quando eu respondi à altura, sabem o que aconteceu? Várias pessoas responderam colocando panos quentes, dizendo que "a Ana pegou pesado" (porque disse que eu ia considerar que apenas a pessoa não estava entendendo o meu português), ou que estávamos fazendo tempestade em copo d´água, pois aquilo não era importante.
Reparem: EU peguei pesado. Falarem da minha vida sexual e desqualificarem meu trabalho não é pegar pesado, não merece nem comentário. Isso é extremamente normal.
E os demais ficaram calados (com a exceção de dois que me telefonaram para pedir desculpa por eu estar passando por isso).
 
Mas eu sempre tratei isso como uma pessoa isolada que estava fazendo coisas que prejudicavam o sentido de união da comunidade, por achar que estava fazendo certo e que isso só ajuda o Joomla. Só que agora diante desse primeiro fato de 2016, quando nenhum dos demais envolvidos no evento teve a capacidade de inserir a JUG Baiano aqui ou compartilhar com o grupo as informações, para mim fica muito claro que não é uma pessoa isolada.

Não temos sentimento de grupo, nem de unidade. Mesmo depois de termos combinado que teríamos. Então: desisto.

Não sei se vocês imaginam como o excesso de trabalho e esses ataques prejudicaram a minha saúde no ano passado, com consequências até agora.

Diferente de muitos aqui, para mim não importa marketing pessoal. Não faz a menor diferença para minha carreira. Aliás, muito pelo contrário. A exposição pelo Joomla me prejudica na Diretoria em que trabalho. E muito.

Então não faz sentido eu prejudicar a minha saúde, prejudicar a minha carreira, por acreditar num ideal de que o Joomla pode desenvolver pessoas e democratizar oportunidades de trabalho. Um sonho abobado de tornar o mundo mais justo, de dar oportunidade para pessoas novas, de mostrar que elas podem. De ter uma comunidade coesa, trabalhando junta por ideais maiores. Porque simplesmente isso não vai rolar enquanto as pessoas NÃO QUISEREM compartilhar, trabalhar em conjunto, enquanto as pessoas quiserem ser destaque. Num grupo, não é pra ter destaque. O mérito é do grupo, e não dos indivíduos dentro dele.

Desculpem escrever tanto, mas não queria parecer estar desertando. Simplesmente, percebi que minha ideias são diferentes da maior parte do grupo. E, sendo assim, quem está errada e deslocada aqui sou eu.
Então peço desculpas.
 
Não vou sair desta lista de email por enquanto, porque acho justo que depois que a gente fale, a gente ouça. Mas meu objetivo aqui não foi ofender nem acusar ninguém. Todos os fatos citados são os que eu não concordo e que me fazem desistir. Mas como eu disse, a errada sou mesma.

A única coisa citada aqui que realmente não tem desculpa é a forma como fui desqualificada e que minha vida pessoal foi exposta para um grupo em que eu nem estava e que é integrado por várias pessoas que nem me conhecem. Ou quando fui desqualificada para a coordenação temática do FISL ([nome de um membro do grupo] lembra disso, mas não cabe o relato aqui). O resto, são só formas diferentes de entender o mundo. Não existe errado nem certo. Só visões diferentes. E eu me retiro com a minha.

Um beijo a todos e nos vemos nos eventos por aí.

PS: Por favor algum amigo do Fulano encaminhe esse email para ele para não parecer que estou falando pelas costas. Me restringi ao relato dos fatos que justificam a minha saída. Muitas outras coisas aconteceram, mas prefiro considerá-las pessoais e já foram devidamente faladas para os envolvidos. Uma coisa vocês sabem: não fico falando pelas costas. Minha opinião é pública e nunca tratei isso de forma que viesse a desqualificar ou desmerecer alguém, como nunca fiz ataques pessoais. Prefiro ter gente que não gosta de mim porque sou honesta do que um monte de "amigos falsos".
 

PS 2: Saí das comunidades do FB também. Se precisarem de mim, sabem como me achar.

 

Querem saber qual foi a resposta da pessoa a isso? Para mim, nenhuma. Ele se restringiu a postar o seguinte num grupo fechado (ou seja, pelas costas, sem direito de resposta):

 

Não existe esse tal conselho que fiscaliza as jugs. O que vem se tentando formar desde 2011 e um grupo pra liderar os eventos nacionais e dar suporte aos regionais. Não estranha vocês uma ex organizadora do joomla Day e desafetação minha enviar este email para vocês da jug baiano só agora depois que viram que o evento realmente os sair? Pois eles sabiam da existência de vocês desde o ano passado e falei a este grupo do evento que vocês estavam organizando pela primeira vez no nordeste. Pensem bem... Tem muita coisa naquele email que não é verdade. Meu primeiro evento eu anunciei bem antes do nacional daquele ano e foi com 4 meses de antecedência e fui apoiado e tivemos a presença de muitos joomleiros naquele ano que a pessoa que hoje tenta me descredenciar nem devia saber o que era o joomla. Me desculpe mas não vou alimentar os throls e nem perder meu tempo com isso.

 

Senão vejamos:

1. Quem falou em conselho que fiscaliza as JUGs? O que existe é um coletivo de JUGs que tem legitimidade (confirmada pela liderança do Joomla presente na reunião desse grupo em setembro) para tomar decisões com e para a comunidade. Isso que ele cita de "desde 2011" deve ser sobre a Associação que já expliquei a vocês ou a lista de email dos ex-organizadores de JDBR.

2. Eu mandei emai para JUG Baiano em agosto de 2015, quando descobri POR ACASO que tínhamos uma nova JUG no Brasil (e ninguém ficou sabendo). Mandei mensagem pelo Twitter também tentando contato: está lá, pública, para quem quiser ver: 20/08/2015, inclusive explicando o motivo do contato.

Como eles não responderam, mandei email pelo formulário do site da JUG:

 

 

Eles me responderam apenas na semana passada, quando um dos líderes da JUG explicou que tinham perdido o acesso à conta e se desculpou.

Aliás, eu até divulguei na Joomla Community Megazine que tínhamos uma nova JUG, dando as boas-vindas, com o objetivo de ajudar na divulgação - mesmo que eu não tivesse recebido resposta deles: http://magazine.joomla.org/international-stories-all/articles-in-portuguesebrazil-all/joomladays-no-brasil

Então quer dizer que a pessoa semeia o veneno, fazendo o grupo (que não me conhece) questionar as minhas reais intenções de ajudar? Fala claramente que há um desafeto (mas gente, eu nunca tornei isso pessoal, apesar de ter motivo para isso). O líder da JUG Baiano pode contar para qualquer um que eu continuo o ajudando como posso até hoje.

3. Fala que muita coisa no meu email é mentira (vocês já viram todas as evidências neste artigo acima e sabem que não é) e cita como exemplo que o evento dele em 2012 foi quatro meses antes do JDBR e não um mês antes. "Mentira" é diferente de "engano". E três meses a mais não mudaram o resultado final, que era ao que eu me referia, como vocês já leram anteriormente. 

4. E o que ele faz no final? Vamos repetir que é feio, mas coisas feias desvelam sempre o que a pessoa leva na alma:

"fui apoiado e tivemos a presença de muitos joomleiros naquele ano [ninguém tem dúvida, 270 pessoas de 15 estados, já sabemos] que a pessoa que hoje tenta me descredenciar [eu estava tentando descredenciar alguém de alguma coisa? Em algum momento de todo o histórico vocês me viram solicitando que ele fosse excluído ou alguma coisa assim? #SQN] nem devia saber o que era o joomla [Ai que lindo, me desqualificando mais uma vez!]. Me desculpe mas não vou alimentar os throls e nem perder meu tempo com isso [E, fechando com chave de ouro, mais uma vez ignorando tudo que é falado e encarando como perseguição. Agora eu é que virei troll. Interessante].

5. Percebam que ele leva tudo para o lado pessoal. Fala de "desafetos". Num outro post no Glip, ele conta que "ganhou muitos inimigos no Joomla". Bem, eu não tinha até então nada contra a pessoa dele, apesar de não concordar com a postura. Mas, já que é assim, devidamente bloqueado no meu Facebook. Só mantenho amigos por lá. ;)  Falta muita maturidade às pessoas para discutir ideias.

E pensam que acabou? Esse ano ele estava lá no grupo do GLIP Joomla Brasil (que eu saí), acompanhou as decisões sobre a candidatura do JoomlaDay Brasil 2016, e mesmo assim foi publicamente no Facebook questionar a decisão do grupo. Olha, DEMOCRACIA NÃO É UNANIMIDADE. Democracia é transparência de decisão e a escolha da maioria. Se o que você queria não foi escolhido, é preciso respeitar a decisão do grupo. E não sair publicamente questionando a decisão do grupo e a sua legitimidade (que é o que foi feito hoje num grupo do Facebook). Quando ele faz isso, várias outras pessoas levantam críticas também. Algumas pessoas que nem vêm acompanhando nada na comunidade Joomla, que nem apareceram a um evento qualquer em 2015 ou ajudaram em alguma coisa e acham que tem o direito de participar das decisões. Pessoal, direito adquirido não existe. Qualquer um pode entrar no grupo que discute e decide, basta que esteja trabalhando em prol da comunidade. Simples assim.

Ah! E continua postando no perfil oficial do JDBR no Facebook em 2016 como se a organização do último JDBR (que é a responsável pelo perfil - ou deveria ser) não tivesse pedido pra ele não fazer mais isso. Qual a dificuldade de entender que o cargo de organizador do JoomlaDay Brasil não é vitalício?

[E continua falando da MINHA vida PESSOAL em grupos em que eu não estou. Gente, o que fixação é essa comigo?]

Tem muitos outros casos que poderiam ser citados: essa pessoa foi denunciada por assédio num grande evento de software livre pelos organizadores do evento e foi solicitada a não se aproximar dx assediadx, a forma como a trilha Joomla na Latinoware foi criada novamente sem abrir para discussão da comunidade e de quem quisesse ajudar (totalmente o oposto do trabalho feito na organização da trilha do FISL), entre outros.

Mas chega. Acho que minha decisão de saída da "comunidade nacional" já está muito bem justificada. Apesar de eu até prever o que a pessoa vai falar, com base no histórico: Estão vendo? Era só espuma. A pessoa ficou só dois anos e saiu. Que contribui verdadeiramente para a comunidade está ficando. Pois é...

Eu continuo sendo joomleira, continuo participando da minha JUG local e sendo voluntária oficialmente no Projeto Joomla (fórum, documentação, traduções, GSoC16). Também continuo ajudando em coisas para a comunidade com as quais já tinha me comprometido.

Ainda acredito que a integração da comunidade poderia mudar a vida de muitas pessoas e o próprio futuro do software. Mas infelizmente não estou mais disposta. E acho que qualquer um que leu esse relato até o fim [Nossa! Que paciência!] há de compreender porquê.

 

 

Joomla! is a trademark of Open Source Matters. This site is not affiliated with or endorsed by the Joomla! Project or its trademark owners.